•  
  •  
  •  
  •  

Poucos personagens da cultura pop têm uma linhagem artística tão rica quanto Tarzan. O apelo exótico desse personagem desenvolvido por Edgar Rice Burroughs, que mostra um inglês criado por macacos e no comando das feras da selva africana, inspirou gerações de alguns dos melhores artistas dos quadrinhos. As imagens acumuladas variam de capas de brochura ricamente renderizadas e desenhos internos, até a narrativa das tiras de jornal e HQs. Tudo isso resultou em um trabalho fantástico desses artistas, em diversas revistas em quadrinhos lançadas.

Com tanta história e tantas imagens icônicas para se olhar é lógico que fica difícil escolher as melhores versões do Rei da Selva, Tarzan.
Abaixo mostramos alguns dos mais importantes artistas gráficos, cujo trabalho ajudou a definir o personagem Tarzan ao longo de várias décadas.

Clinton Pettee

Esse ilustrador foi o primeiro intérprete visual da criação de Burroughs, Pettee foi um ex-ator, designer e artista de capa para muitas das revistas de aventura Pulp (nome dado, em 1900, às revistas feitas com papel barato, fabricado a partir da polpa de celulose) mais vendidas da época, incluindo a edição de outubro de 1912 de “The All -História “, que apresentou o capítulo de estreia de “Tarzan of the Apes.” A interpretação dinâmica de Pettee, deu a Tarzan uma aparência instantaneamente icônica e copiada até hoje.

J. Allen St. John

Com sua experiência em ilustração de livros de fantasia, a associação de St. John com Tarzan começou com ilustrações em preto e branco e foi evoluindo para as HQs. Isso rapidamente resultou em muitas capas pintadas e imagens interiores cuidadosamente desenhadas com o homem-macaco e outros personagens de Burroughs. Suas criações apareceram por vários anos, marcando-o como um dos primeiros intérpretes mais influentes do personagem Tarzan.

Hal Foster

Um dos pioneiros e principal definidor de padrões para todo o meio de arte sequencial para as Hqs de aventura, a influência geral de Foster é incomensurável. Ele deixou sua marca pela primeira vez em 1929, quando foi escolhido para introduzir Tarzan no mundo das tiras de jornal. Seu trabalho trouxe a sensibilidade de um artista plástico e um senso de alcance épico ao personagem, junto com inovações na narrativa, como o uso de legendas evocativas em vez de balões de palavras. Esse estilo marcou permanentemente a geração subsequente de artistas que desenharam o Tarzan, incluindo Frank Frazetta. O sucesso de Foster nas tiras deu-lhe a oportunidade de criar sua obra-prima subsequente, a famosa tira de jornal do personagem “Príncipe Valente”.

Burne Hogarth

Esse ilustrador, com formação clássica, encontrou trabalho durante a Grande Depressão Americana no King Features Syndicate. Hogarth se tornou o principal artista da história em quadrinhos do jornal e o seu Tarzan apareceu a primeira vez num domingo de 1937. Durante um período de 12 anos, ele trouxe o seu classicismo incomparável e domínio dinâmico da anatomia em movimento, para injetar nova vida nas aventuras do herói. Na década de 1970, após escrever livros que nunca ficaram fora do catálogo de HQs, Hogarth retornou ao personagem para uma série de histórias em quadrinhos de Tarzan que foram aclamadas, belamente elaboradas e definitivas.

John Coleman Burroughs

O filho de Burroughs, conhecido como Jack, era um ilustrador tão talentoso quanto seu pai e um grande contador de histórias. No final da década de 1930 ele começou um longo período como fornecedor de arte para muitas das obras mais antigas do seu pai, incluindo Tarzan. Seu trabalho interior em preto e branco, em particular, trouxe uma qualidade temperamental, impressionista e ligeiramente surreal para o homem-macaco, que se refletiu em obras posteriores de outros mestres dos quadrinhos.

Russ Manning

Depois que Tarzan foi adaptado para as revistas em quadrinhos na Western Comics, primeiro por meio de seu selo Dell, no final dos anos 40 e ao longo dos anos 50, seguido por Gold Key nos anos 60, Manning se tornou um artista destacado na sua época. Ele trouxe um estilo nítido e limpo e uma vida animal detalhadamente representada, além de criar uma arte de capa atraente e com a qualidade de qualquer livro de bolso. Posteriormente, Manning ilustraria a tira de jornal do Tarzan, além de histórias em quadrinhos para o mercado europeu.

Roy Krenkel

Krenkel reviveu e sustentou o interesse por Tarzan, cinco décadas após a estreia do homem-macaco, logo depois que ele foi encarregado de ilustrar a reimpressão dos contos clássicos da Ace Books, no início dos anos 1960. Krenkel reinventou o Senhor da Selva para uma geração e o artista está entre os intérpretes definitivos do personagem, com seu trabalho solto, fluido e esboçado, mas ao mesmo tempo totalmente definido, uma verdadeira obra de arte.

Frank Frazetta

Frank Frazetta é um dos meus artistas preferidos e sua arte é inconfundível. Frazetta aperfeiçoou seu ofício como artista de quadrinhos e tirinhas de jornal, principalmente como assistente do criador de “Li’l Abner” Al Capp, isso antes de se tornar um ilustrador muito requisitado por Hollywood para a criação de cartazes de filmes e capas de brochura. Suas artes, que aparecem muito nas capas das revistas de Conan, de Robert E. Howard, foram um sucesso por um longo período. Frazetta estava entrando no auge de suas proezas visuais, quando começou sua fabulosa associação com Tarzan e outras criações de Burroughs, em meados da década de 1960. O artista iniciou com capas e ilustrações de interiores para as reimpressões da Ace Books dos clássicos romances do homem-macaco. Apesar de nunca ler o material original, Frazetta representou Tarzan com maestria e exatamente como ele o imaginava: um herói robusto e musculoso, poderoso e dinâmico, mas com um ar temperamental e misteriosamente exótico.

Joe Kubert

Agora estamos entrando na categoria lendas dos quadrinhos. Kubert fez um trabalho fantástico em diversos personagens, como o super-herói alado Gavião-Negro, o herói de guerra Sgt. Rock e o aviador Ás Inimigo, que estão entre os maiores trabalhos em HQs de todos os tempos. Kubert foi um fã de Burroughs e por isso passou a ser editor, escritor e o artista escolhido pela DC Comics para supervisionar as criações de Tarzan e dos Burroughs, assim que adquiriu a licença de quadrinhos em 1972. O lendário artista provou ser uma escolha perfeita graças ao seu estilo visualmente cativante e cheio de ação, além de contar histórias sem esforço algum.

Neal Adams

Em 1976, Neal Adams revolucionou sozinho a indústria dos quadrinhos ao trazer um senso de realismo e vida nunca visto antes nas revistas em quadrinhos, oferecendo alguns dos layouts mais ousados ​​e dinâmicos que a indústria de HQs já conheceu. Escolhido para fornecer 12 capas imaculadas para as novas edições dos clássicos de Burroughs da Ballantine Books, Adams entregou a mais selvagem e sexy encarnação do Tarzan até hoje, reinventando o personagem novamente para outra geração.

Boris Vallejo

Tenho livros de Boris Vallejo guardados até hoje, artes futuristas e selvagens que mostram uma anatomia perfeita. Ao mesmo tempo que a Ballantine Book contratou Adams, a editora atribuiu as 12 capas de Tarzan restantes ao pintor peruano, especialista na arte imaginativa com bárbaros musculosos e eroticamente tingidos e mulheres guerreiras perfeitas, que conquistaram o mundo de fantasia. Vallejo sempre foi um entusiasta do fisiculturismo e costumava se usar como modelo para as ilustrações do homem-macaco e também provou ser um dos intérpretes mais definitivos de Tarzan.

John Buscema

Quando a Marvel Comics conseguiu a licença dos quadrinhos de Tarzan, em 1977, Buscema e o escritor Roy Thomas, ambos os pilares desse início da Era da Marvel, além da equipe que dirigia a adaptação para os quadrinhos de Conan, o Bárbaro, aceitaram o personagem sem pestanejar. Conhecido como o Michelangelo dos quadrinhos, Buscema entregou suas marcas registradas no personagem: anatomia esplêndida, ação dinâmica e emoção bruta.

Mike Grell

Escritor e artista emergente da DC Comics no final dos anos 70 e início dos anos 80, Grell se tornou um superastro com sua criação influenciada por Pellucidar e Burroughs, “The Warlord”, tornando-o uma escolha natural para assumir o controle criativo das tiras de domingo do Tarzan, em 1981. Um entusiasta da caça, ninguém é perfeito, e com um olho aguçado para representar a flora e a fauna, a representação de Grell para a selva de Tarzan e seus habitantes animais, foi uma das mais ricamente desenhada.

Glen Keane

Filho do artista de histórias em quadrinhos Bill Keane, Glen Keane se tornou um animador de destaque na Walt Disney Company, criando seu estilo para personagens como “A Pequena Sereia” Ariel e a “Bela e Fera”, além de ser um dos principais arquitetos da segunda Idade de Ouro na Animação da empresa. Como supervisor de animação em “Tarzan” de 1999, Keane entregou as interpretações mais fluidas, ferozes e convincentemente animalescas do homem-macaco já vistas, além de trazer o inovador movimento que fazia o personagem surfar como um skatista pelas árvores. Com a ajuda do poderoso marketing e merchandising da Disney, o Tarzan de Keane teve um impacto profundo em uma nova geração de fãs.

Joe Jusko

Depois criar retratos de super-heróis surpreendentemente realistas para o álbum de figurinhas da Marvel, Masterpieces, que ajudou a desencadear o boom das figurinhas no início dos anos 90, Jusko passou a se dedicar aos personagens de fantasia mais selvagens, tornando-se um intérprete regular de todos as criações de Burrough. Seu trabalho intensamente realista e musculoso em Tarzan, se tornou uma marca registrada de sua carreira.

Thomas Yates

Membro da primeira turma de graduação da Escola de Cartum e Arte Gráfica Joe Kubert, Yeates rapidamente se estabeleceu como um artista de quadrinhos inovador, com um estilo totalmente clássico. Mais tarde manteve a orgulhosa tradição da arte de aventuras na selva, primeiro com seu trabalho inicial no curta “Tarzan: The Beckoning” da Malibu Comics, em 1992, seguido por uma longa temporada ilustrando o Senhor da Selva em vários títulos da Dark Horse Comics.

Muitos outros artistas influentes contribuíram, direta ou tangencialmente, para o legado visual de Tarzan, incluindo Jesse March, Gil Kane, Bernie Wrightson, Mike Kaluta, Jeffrey Catherine Jones, Gray Morrow, Mark Schultz e Frank Cho. Como o homem-macaco vai continuar a ser um ícone cultural pop, por muito tempo ainda, com certeza novos artistas acrescentarão uma nova visão à esse personagem fantástico dos quadrinhos. 

Você Encontra Tudo Sobre o Personagem Tarzan na Amazon

Acesse Aqui: