|

Compartilhe!

Nosferatu é um filme de terror mudo produzido em 1922, mas tecnicamente não deveria existir, pois é um plágio do romance Drácula, de Bram Stoker.

Max Schreck Como Nosferatu

Nosferatu continua sendo um dos filmes mais famosos da era do expressionismo alemão e um dos mais influentes no gênero de terror. Até as gerações mais jovens já estão familiarizadas com esse vampiro do filme, Conde Orlock. Isso, graças a sua participação no clássico episódio de Bob Esponja Calça Quadrada, Graveyard Shift.

Sem Nosferatu, os filmes de terror do século passado seriam completamente diferentes. No entanto, tecnicamente, o filme Nosferatu não deveria existir, pois é uma produção ilegal e continua ilegal até hoje.

Não é segredo que a inspiração para Nosferatu foi o lendário romance de terror de Bram Stoker, Drácula. Pois essa é uma história adaptada inúmeras vezes em vários filmes, quadrinhos e séries. O problema é que o diretor de Nosferatu, F.W. Murnau, adaptou o romance de 1897, sem permissão do espólio de Stoker.

Viúva de Bram Stoker não vendeu os direitos de Drácula

Além disso, o produtor do filme, Albin Grau, fez esse filme de vampiros depois de aprender sobre a tradição vampiresca, na Sérvia. Período em que esteve na Primeira Guerra Mundial. Ele formou uma produtora chamada Prana Film e contratou o roteirista Henrik Green e o diretor Murnau para adaptarem o livro Drácula. Mas, como Stoker morreu em 1912, sua viúva Florence recusou-se a vender os direitos do romance. Apesar do livro ser gratuito e de domínio público nos Estados Unidos, devido a um erro de direitos autorais, ele não era gratuito na Alemanha. Portanto, sua liberação só aconteceu 50 anos após a morte de Stoker, em 1962.

Apesar dessas restrições, Grau, Green e Murnau persistiram em sua adaptação. No entanto, eles mudaram o nome para Nosferatu e o vampiro titular se tornou o Conde Orlock. Além disso, o nome de Jonathan Harker foi alterado para Thomas Hutter, Mina Harker tornou-se Ellen Hutter e Abraham Van Helsing tornou-se o Professor Bulwer.

Mesmo assim, o enredo básico de Drácula e Nosferatu são bem semelhantes: um homem faz uma viagem de negócios para um castelo isolado, onde um vampiro pretende seduzir sua noiva. Os cineastas tentaram diversificar o enredo de várias maneiras e incluíram a ideia de que a luz do sol mata vampiros.

Apesar dos esforços para diferenciar o filme do material original, isso não foi suficiente para evitar um processo judicial. Pois o espólio de Stoker descobriu sobre Nosferatu e soube que o filme teria sua estreia no Jardim Zoológico de Berlim, em 1922. Porém, nas primeiras versões do filme, usaram o nome Drácula, algo que tornou o plágio bem óbvio. Florence Stoker prontamente entrou com um processo de violação de direitos autorais e exigiu que todas as cópias do filme fossem destruídas.

Famosa cena de Nosferatu

Durante esse processo, a produtora Grau’s Prana Film declarou falência e fechou as portas. Em 1925, a Viúva de Stoker ganhou o caso e o juiz ordenou que todos os negativos e impressões de Nosferatu fossem enviados a ela. Ou seja, a madame resolveu destruir todas as cópias.

Mas, como um vampiro que ressuscita das tumbas, algumas cópias sobreviveram e chegaram à América no final dos anos 1920. Como o romance Drácula era de domínio público nos Estados Unidos, essas cópias de Nosferatu não foram destruídas. Após essa sobrevida, algo que combina bem com filmes vampirescos, mais cópias foram produzidas, à medida que o filme desenvolvia um culto de seguidores, permitindo que Nosferatu fosse famoso até hoje. Afinal, quem nunca viu o filme ou alguma cena desse vampirão horripilante e assustador?

No Site MobDica falamos sobre filmes de terror

Nosferatu está disponível na Amazon – Clique Abaixo



Publicidade Publicidade

Artigo:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Posts
Relacionados
Publicidade
plugins premium WordPress