•  
  •  
  •  
  •  

Matrix, uma obra-prima da ficção científica de 1999, parece mais profética do que nunca. Estamos em 2021, onde o aprendizado de máquina e o capitalismo de vigilância estão cada vez mais se alimentando da matéria-prima de vidas humanas, ao mesmo tempo que nos escravizam e nos divertem, exatamente como no filme. O termo Surveillance Capitalism (Capitalismo de Vigilância) foi criado pela socióloga Shoshana Zuboff, que conheci através de uma reportagem na Internet. Para Zuboff, nossa economia é cada vez mais construída em torno do esforço implacável das corporações para digitalizar e monetizar nossas vidas pessoais.

Isso pode ser assustadoramente familiar para quem é fã de Matrix. O filme apresenta uma visão de um futuro distópico, onde o mundo natural foi destruído pela ação humana e transformado num deserto pós-apocalíptico. Nesse mundo as pessoas não podem reconhecer esta verdade porque seus sentidos foram preenchidos, desde o nascimento, por uma tranquila vida artificial que as escraviza e ainda permite que as máquinas se alimentem delas.

Matrix é reconhecido por redefinir totalmente a narrativa nos filmes de ficção científica e apresenta também muito material temático inexplorado dentro deles e, mais notavelmente, uma condenação ao sistema capitalista.

O primeiro filme da série, The Matrix, apresentou ao mundo o personagem Neo, um hacker amador que rapidamente descobre que sua realidade monótona, dos anos 1990, é na verdade uma simulação poderosíssima, criada por uma raça consciente de máquinas, que estão usando a bioenergia coletiva da humanidade para se alimentar. Se isso não bastasse, ele também descobre que é o “Escolhido”, uma figura messiânica e profética que pode manipular o código interno da Matrix e isso transforma o personagem numa espécie de Superman Cyberpunk Futurista.

Todos os filmes Matrix foram sujeitos a inúmeros tipos de explorações temáticas, inspirando incontáveis ​​livros e ensaios que discutem as influências e mensagens que existem dentro deles. Isso vai desde enxergarmos Neo como uma alegoria de Cristo, devido à sua natureza profetizada e o seu sacrifício em Matrix Revolutions, até ver a franquia em comentários sobre a experiência transgênero por causa das diretoras do filme, as irmãs Wachowski.

O mais interessante é que todas essas interpretações são válidas e apoiadas pelo simbolismo embutido nos filmes e que provavelmente continuarão em Matrix 4. No entanto, há outro comentário bem sutil codificado no DNA dessa franquia, especificamente encontrado no primeiro filme, que mostra a reação dos personagens principais à verdade sobre a realidade. Matrix apresenta claramente uma crítica ao capitalismo em estágio avançado, suas falhas e, em última análise, a derrubada do sistema pelas pessoas que existem dentro dele.

Em sua essência, a franquia Matrix é sobre a exploração dos trabalhadores, expressa por meio das máquinas que necessitam de energia humana. Embora a franquia principal nunca declare, explicitamente, o que levou ao futuro distópico presente nos três primeiros filmes, há muito material suplementar que preenche essa lacuna entre o passado e a linha do tempo presente dos filmes.

No primeiro filme, após Neo tomar a pílula vermelha de Morpheus, uma simbologia bem simplista por sinal, ele acorda em um tanque flutuante suspenso no ar, rodeado por milhares de cápsulas semelhantes. Os telespectadores logo percebem que ali esta toda a humanidade e que este é o destino de todos: viver em uma simulação permanente, enquanto as máquinas utilizam sua bioenergia para produzir e viver tranquilamente.

Há uma crítica geral da franquia ao sistema capitalista e podemos perceber isso claramente. Tanto os humanos quanto as máquinas constroem os seus impérios com base na exploração. A humanidade cria uma espécie senciente inteira, simplesmente para usá-las como mão de obra escrava e quando as máquinas se levantam em defesa própria, a humanidade tenta em vão exterminá-las, levando à uma guerra entre as partes.

No futuro, centenas de anos após o fim da guerra, as máquinas se voltam para a exploração de humanos, buscando uma sobrevivência prolongada. Uma das principais críticas ao sistema econômico capitalista é que ele depende da exploração da classe trabalhadora por aqueles que estão no topo e os filmes Matrix constroem todo o seu conflito com base nessa crítica.

Como a simulação apresentada em Matrix, o capitalismo funciona como uma grande ilusão. Muitos críticos do capitalismo afirmam que uma sociedade capitalista engana a classe trabalhadora, fazendo-a acreditar que o sistema está trabalhando ao seu favor, apesar desse trabalhador ser ativamente explorado. Por sua vez, essas pessoas exploradas defenderão os princípios do sistema que as explora, na esperança de um dia alcançarem o mesmo status dos indivíduos que estão no topo. Isso cria a ilusão de que o sistema realmente funcionará, um dia, desde que seja alimentado eternamente sem nenhuma constentação.

É exatamente isso que acontece no primeiro filme da franquia, quando Morpheus apresenta o seu monólogo. Enquanto explora a Matrix com Neo e o expõe aos meandros dessa simulação, Morpheus aponta pessoas que ainda não foram despertadas para o mundo real e não têm ideia do que realmente está acontecendo nos bastidores de suas vidas. Morpheu diz: Matrix é um sistema, Neo. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas, quando você está dentro e olha em volta, o que vê? Homens de negócios, professores, advogados, carpinteiros. As próprias mentes das pessoas que tentamos salvar.

Esta é uma referência clara aos tipos de empregos que formam a classe trabalhadora no mundo. Embora o 1% que está no topo seja formado por bilionários, celebridades e CEOs, os que estão girando as engrenagens do sistema são aqueles que realmente estão envolvidos no trabalho e no crescimento da sociedade. Essas são as pessoas que Neo e Morpheus devem salvar, mas ao mesmo tempo, essas pessoas ainda estão presas dentro da simulação, contribuindo ativamente para sua existência.

Morpheus termina seu discurso dizendo a Neo: você tem que entender, a maioria dessas pessoas não está pronta para ser desconectada. E muitas delas estão tão feridas, tão desesperadamente dependentes do sistema, que lutarão para protegê-lo.

Quando mostra aqueles que estão presos na simulação, Matrix parece estar dizendo que, até serem expostos à um sistema melhor, essas pessoas presas nas rodas do capitalismo, lutarão para defendê-lo. Neo e a rebelião representam a solidariedade da classe trabalhadora, sendo que Neo é o “Escolhido”, um messias profetizado para salvar o mundo.

Ao longo de toda a franquia Matrix, Neo é auxiliado por um círculo pessoal próximo de Morpheus e Trinity, bem como pelas ações de outros sobreviventes de Zion. E mesmo em Matrix Revolutions, quando ele se sacrifica para derrotar o Agente Smith e salvar a Matrix e também o mundo real, ele o faz usando a ajuda das máquinas contra as quais eles passaram os dois últimos filmes lutando. Tanto Neo quanto a rebelião trabalharam juntos para libertar a humanidade dos grilhões da simulação, que podem ser vistos como uma alegoria da solidariedade que existe entre a classe trabalhadora.

Aqueles que viram a verdade da Matrix lutam para libertar a humanidade desse controle, da mesma forma que os oponentes do capitalismo acreditam que a classe trabalhadora pode se unir para derrubar o sistema. Além disso, tanto os cidadãos de Zion, quanto as máquinas que se reúnem para recriar a Matrix, após o sacrifício de Neo, representam o objetivo final: o reestabelecimento do sistema.

Matrix pode ser interpretado de várias formas, mas o seu principal conflito é a luta de Neo e seus companheiros contra o controle do sistema pelos poderosos. O filme termina com uma cena em que Neo diz: não conheço o futuro, não vim aqui para dizer como isso vai acabar, vim aqui para contar como vai começar. Ele conclui: vou mostrar a essas pessoas um mundo sem regras e controles, sem fronteiras e limites, um mundo onde tudo é possível.

Enquanto Neo voa para longe e os créditos rolam, a banda Rage Against the Machine entra com o grito “Wake Up!”

Matrix está disponível em 4K na HBO Max

Na Amazon você encontra vários títulos do Cinema em Blu-Ray

Acesse Aqui: