|

Share on facebook
Share on twitter

Compartilhe!

No início de 1973, a banda de rock experimental britânica Pink Floyd lançou seu 8º álbum, The Dark Side of the Moon, indiscutivelmente o maior álbum de rock já criado.

Banda Pink Floyd

Desde o seu lançamento, esse álbum passou a ser a pedra angular da cultura do século XX e forneceu grande inspiração para artistas dentro e fora da música. Seu sucesso encorajou outros músicos a explorar estilos musicais mais progressivos e, além disso, elevou o nível de gravação dos próximos álbuns.

O Pink Floyd criou um álbum que foi um sucesso financeiro, pois The Dark Side of the Moon se tornou um dos discos mais vendidos de todos os tempos. Após o seu lançamento, o álbum alcançou o primeiro lugar na parada da Billboard e acabou permanecendo por 741 semanas consecutivas. Este feito fez com que o álbum fosse um dos 25 mais vendidos de todos os tempos.

The Dark Side of the Moon perdurou ao longo dos anos porque é um álbum conceitual muito bem escrito e pensado. Um álbum conceitual é quando quase todas as músicas giram em torno de uma história ou tema. Por isso este é um contraste, pois a maioria dos álbuns de estúdio apresentam apenas uma série de canções, mas que muitas vezes não estão conectadas ou relacionadas com o mesmo álbum.

The Dark Side of the Moon é um álbum conceitual

O álbum The Dark Side of the Moon é conceitual, pois deu origem a uma série de teorias sobre o que ele poderia significar. A banda até deu explicações parciais para algumas das músicas e também para o álbum, como um todo. No entanto, o Pink Floyd apenas deixou que os ouvintes decidissem, por conta própria, o que eles achavam mais interessante.

Mas não é por isso que The Dark Side of the Moon é considerado um álbum conceitual. Ele é conceitual porque discute ideias filosóficas e físicas, mostrando o que pode levar uma pessoa para uma vida insatisfeita e infeliz.

O álbum, certamente, é um conto de advertência dividido em duas partes, sendo que a primeira metade descreve as insatisfações da vida. Por isso esta parte do álbum tem as seguintes faixas:

Speak To Me/Breathe

On The Run

Time/Breathe Reprise

Great Gig In The Sky

Já a segunda metade do álbum consiste em canções individuais sobre diferentes ideias e conceitos que são prejudiciais à sociedade e podem levar à loucura. Essas faixas são:

Money

Us and Them

A Color You Like

Brain Damage

Eclipse

As ideias um tanto quanto filosóficas da segunda metade do álbum, são uma espécie de ode à loucura. Elas também são a principal causa dos problemas mencionados na primeira metade do álbum, que mostram os problemas de quem não consegue viver uma vida plena e acha que não realizou praticamente nada.

Como uma das vozes no final do álbum afirma:

“There is no dark side of the moon really. Matter of fact it’s all dark.”

Icônica capa do álbum The Dark Side of the Moon

Muitas pessoa perguntam o que o título do álbum quer dizer e se o lado escuro da lua é apenas uma metáfora.

Com certeza é uma metáfora para a escuridão, que pode representar ideias diferentes, ou pode destruir todas as emoções e ideias positivas que fazem parte da humanidade. Na verdade, a escuridão citada nesse álbum representa a insanidade. Mas, como na realidade, a luz retratada pela lua é realmente uma ilusão. Portanto, parece que o álbum pretende mostrar o lado negro da lua como um conceito sério e, ao mesmo tempo, sugere que qualquer pessoa, pelo menos em algum nível, é totalmente insana ou tem que lidar com a sua loucura interior.

The Dark Side of the Moon é um álbum fantástico e, por isso, é praticamente impossível escolher qual é a melhor música desse disco do Pink Floyd.

Compre a versão em vinil de The Dark Side Of The Moon na Amazon



Publicidade
Publicidade
Publicidade Publicidade

Artigo:

Publicidade
Posts
Relacionados
Publicidade
plugins premium WordPress