•  
  •  
  •  
  •  

A Revista MAD é a fonte de muitas memórias para aqueles que cresceram com ela, principalmente nas década de 70 e 80, criando algumas das relíquias satíricas mais duradouras até hoje. MAD não tinha medo de ultrapassar os limites do humor, muitas vezes mergulhando na política e na cultura pop para obter seu material cômico e sarcástico. Além de Neuman a revista trazia os personagens Spy vs Spy, Don Martin e muitos outros, sempre com um humor bastante ácido.

Resolvemos escolher as melhores capas da MAD de todos os tempos, uma tarefa quase impossível pois quase todas as capas eram sensacionais. Mas, depois de um tempo escolhendo, conseguimos selecionar as que são as nossas preferidas.

Lógico que várias outras capas poderiam fazer parte dessa lista, mas prometemos que logo publicaremos outras capas eternas da Revista MAD.

Veja Abaixo

Edição 533, 2015

“Weird Al” Yankovic foi um dos que mais falaram sobre o cancelamento de Mad, e não é de se admirar. Citando sua influência em seu estilo cômico, o músico comentou que Mad foi basicamente a razão pela qual ele ficou estranho.

Ele foi o primeiro editor convidado da revista em 2015, conseguindo um cobiçado lugar na capa com Alfred E. Neuman, que parece um pouco assustado ao lado de “Weird Al” sem um dente!

Edição 24, 1955

Essa capa não é uma das melhores, mas foi a que deu início à tudo. Quando Mad mudou para o formato de revista, em 1955, a publicação estava livre dos rígidos padrões da Comics Code Authority, o que permitiu um humor mais aventureiro.

Esta foi a primeira aparição na revista do ícone Alfred E. Neuman, que aparece no centro superior com sua frase de assinatura “O quê? Me preocupo?”. Essa primeira edição também apresentou aos leitores o slogan “Humor na veia jugular”, que Mad usou em muitas outras edições futuras. Para que conste, a mensagem especial dos editores foi: “Por favor, compre esta revista!”

Edição 493, 2008

A eleição do 44º presidente Barack Obama foi, sem dúvida, um dos eventos mais importantes dos anos 2000. A corrida presidencial, que culminou na eleição de Obama, também foi tão memorável que produziu frases e ícones que permaneceram na cultura popular desde então.

Esta capa, como muitas outras, inclui uma celebridade importante à semelhança de Alfred. Nesse caso, é o então recém-eleito Obama. Que, no verdadeiro estilo MAD, Alfred E. Obama brandia uma faixa dizendo “Sim, não podemos”, sua opinião sobre a famosa frase de campanha de Obama: “Sim, nós podemos”.

Edição 154, 1972

Depois de falsificar a eleição presidencial de 1972 na sua edição de setembro, MAD decidiu voltar a uma cena menos política nesta capa apresentando Alfred E. Neuman e seu dente perdido.

Muitas edições da publicação afirmavam ter fotos raras do dente da frente intacto de Alfred, mas geralmente substituíam o espaço pelo código de barras da revista ou algo semelhante. Não dessa vez! Alfred come uma espiga de milho, deixando uma única fileira de grãos intocada devido à sua infeliz situação dentária. É o tipo de capa que os fãs da revista adoravam e mostrava bem o humor mais sutil e bastante eficaz de MAD.

Edição 180, 1976

Considerado um dos maiores filmes de todos os tempos, Tubarão foi o primeiro que realmente apresentou a definição moderna de um “blockbuster” de Hollywood. O filme de maior bilheteria de todos os tempos, isso até Star Wars, lançado apenas dois anos depois, o filme ganhou muitos prêmios e ainda é considerado um sucesso até hoje.

Claro, os editores de MAD tinham que entrar em ação. Embora o tubarão assassino do filme geralmente não tenha misericórdia de suas vítimas, este tubarão na capa da edição 180 pensou duas vezes antes de devorar Alfred E. Neuman, que está nadando alegremente pelo oceano. O tubarão dá uma olhada e diz a famosa exclamação yecch, pela qual MAD é conhecida.

Edição 60, 1961

Mad nunca se esquivou da política, e esta capa mostra uma das melhores piadas da revista. Impresso bem a tempo para os resultados da eleição presidencial de 1960, a revista apresentava Alfred diante de uma foto do recém-eleito John F. Kennedy, com o texto: “Mad parabeniza John F. Kennedy por sua eleição como presidente. Estávamos com você por todo o caminho Jack! “

Mas o leitor adepto percebeu logo que a revista tinha, por precaução, uma frase de Richard M. Nixon na contracapa. A revista também foi impressa com metade dela de cabeça para baixo e podia ser lida dos dois lados.

Edição 198, 1978

Hoje em dia ninguém poderia imaginar que houve uma era sem o Códigos de Barras, também conhecidos como Códigos de Produto Universais. Mas, se você for um leitor bem antigo de Mad e com muito mais anos de experiência, certamente irá lembrar desse tempo. O primeiro Código de Barras foi escaneado em um Supermercado Marsh em Troy, Ohio, em 1974 e foi anexado a um pacote do Chiclete Wrigley.

MAD ficou perplexa com essa tecnologia, sentindo que ela interferia na habilidade de suas capas desenhadas à mão, então eles entregaram esta mensagem bem irônica em 1978, quando finalmente foram obrigados a incluir um Código de Barras em suas revistas.

Edição 166, 1974

Essa imagem pode parecer até banal hoje, mas essa capa icônica da Mad foi tão odiada pelos leitores, que o editor William Gaines se desculpou publicamente. Apresentando um dedo médio pintado de forma bem realista, acompanhado do texto “The Number One Ecch Magazine”, muitos leitores provavelmente acreditaram que isso era verdade depois desta capa!

Muitos estabelecimentos se recusaram a vender a publicação ofensiva, então MAD acabou com muitas cópias em estoque, que permaneceram não vendidas por anos. Tantas, na verdade, que eles ofereceram a edição de 1974 gratuitamente, quando você fazia uma assinatura da Mad, isso 30 anos depois.

Edição 217, 1980

Outra capa política foi criada em meio à eleição presidencial de 1980, na qual Ronald Reagan derrotou Jimmy Carter, obtendo 50,6% dos votos. No entanto, como fizeram nas eleições anteriores, a revista MAD pediu que você votasse em um candidato diferente: o primeiro e único Alfred E. Neuman.

Nesta edição que mostrava “Alfred E. Neuman para presidente”, o sorriso característico de Alfred aparece como um bloco de texto, que diz: “Alfred E. Neuman para presidente?!? Por que não? Poderíamos votar em alguns muito piores. Por exemplo, poderíamos votar em Jimmy Carter, Ted Kennedy, George Bush, Ronald Reagan … “ . E a lista continua com alguns candidatos ridículos, como King Kong e Alice Cooper.

Edição 26, 1969

1969 foi um dos anos mais importantes da história americana moderna, por uma infinidade de razões. A Guerra do Vietnã ainda estava ocorrendo no exterior, a música estava se tornando cada vez mais política, experimental e psicodélica e a Exposição Aquariana de Woodstock agitou na Fazenda Yasgur, em Nova York, por três dias gloriosos.

MAD lançou sua própria versão da guerra em abril de 1969, parodiando os anúncios sempre populares e reconhecíveis do exército americano, que circularam durante a Primeira e a Segunda Guerra Mundial. Alfred E. Neuman toma o lugar do patriota Tio Sam, substituindo o icônico “Eu quero você” por “Quem precisa de você”. Uma crítica sensacional da revista.

Naquela época, a capa provavelmente foi vista por muitos como antipatriótica. Mas essa sempre foi a irreverência corajosa de MAD e o seu total desrespeito aos limites convencionais do humor, que continuaram a ser testados muitos anos depois!

É uma pena que a revista acabou, mas tudo que é bom termina um dia.

Na Amazon Você encontra Edições da Revista MAD.

Acesse Aqui: