|

Share on facebook
Share on twitter

Compartilhe!

Quando a TV era quadrada, o cinema era um ato de liberdade e um refúgio para essa programação careta que passava na telinha, foi por isso que assisti Hair.

Treat Williams, Annie Golden, Dorsey Wright, Don Dacus

Na Tijuca existiam vários cinemas e praticamente todos tinham os mesmos horários de sessão, de duas em duas horas, dependendo da duração do filme. E as salas dos cinemas eram luxuosas e com aquele cheirinho de pipoca no ar, convidando para entrarmos quando passávamos pela porta. Foi exatamente num desses cinemas que assisti Hair pela primeira vez.

A Década de 70 foi recheada de filmes musicais como: Um Violinista no TelhadoJesus Cristo SuperstarNew York, New YorkCabaret All That Jazz, mas nenhum representa tanto essa época, quanto Hair. Esse filme mostrou para uma geração que é possível fugir do sistema para viver em liberdade e que o mundo precisa apenas de paz e amor. Um filme perfeito para esquecermos os problemas, durante algumas horas, e mergulharmos em cenas que passam tranquilidade, graças à excelente trilha sonora.

As melhores partes de Hair facilmente coincidem com o sucesso das músicas Aquarius, Hair, Let The Sunshine In e Manchester, fornecendo o pano de fundo para as sequências mais emocionantes do filme. Porém, mesmo depois de assistir várias vezes, essas cenas emocionam e mostram porque elas são inesquecíveis e eternas. Hair é uma adaptação da peça realizada na Broadway em 1967, passada para o cinema em 1978, pelo diretor Milos Forman. Chega a ser irônico como um musical sobre a contracultura é levado para a Broadway e para os cinemas, duas grandes representações da cultura americana capitalista. 

No filme, Claude Hooper Bukowski, um garoto do interior de Oklahoma, vai para Nova York ao ser convocado para a guerra do Vietnam. Chegando lá, ele conhece alguns hippies no Central Park e torna-se amigo deles. Logo no início do filme podemos perceber que as cores são bem apagadas e, durante a viagem de Claude, tudo fica mais colorido, demonstrando o contraste entre a sociedade da época e os hippies.

Para combinar com uma excelente trilha sonora o diretor de Hair, Milos Forman, criou coreografias não muito complexas que mostravam o jeito Hippie de ser. As danças conseguiram transmitir o retrato de uma geração e muitas das músicas de Hair conseguiram virar hinos de uma época. Por causa desse sucesso, em 2004, Aquarius entrou para o ranking das melhores canções do cinema.

Hair pode nos prender do começo ao fim, através de cenas memoráveis, como quando Berger e seus amigos invadem uma festa e cantam e dançam na mesa de jantar. O filme nos faz repensar alguns valores de nossa sociedade onde só os pobres, fracos e negros são afetados. Por causa dessas questões complexas, Hair se tornou um dos melhores filmes dos últimos tempos. Sua música e sua crítica à sociedade da época, ainda faz parte do contexto em que vivemos hoje, em pleno Século XXI.

Cena Histórica de Hair

É difícil encontrar o Filme Hair em canais da TV por Assinatura, mas você encontra facilmente em serviços de streaming e no DVD ou Blu-Ray. Se você já assistiu, vale à pena ver mais algumas vezes, ou sempre. Se você ainda não assistiu, não perca nem mais um segundo e assista hoje esse filme memorável e icônico.

Na Amazon você encontra o filme Hair



Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Artigo:

Publicidade
Posts
Relacionados
Publicidade